Guia Portal Sorocaba.com

Solicite seu orçamento para as empresas e profissionais cadastrados no Portal Sorocaba.com

Cadastre aqui sua empresa ou negócio!


Sorocaba, 24 de Setembro de 2017

CANAL TI

NOTÍCIAS

Cinco conselhos para reduzir a carga cognitiva no desenvolvimento de software

Notícia publicada em 01/07/2016



Cinco conselhos para reduzir a carga cognitiva no desenvolvimento de software

É tempo de crise e você está em busca de uma ferramenta de controle financeiro. Você faz uma busca e encontra dezenas de softwares online. O primeiro site anuncia uma ferramenta gratuita que faz todo o controle do seu orçamento. Esperançoso, você clica em um botão chamado “Experimente já! É simples e rápido!”.

 

 


Você chega em um formulário e todos os campos são obrigatórios:

- Seu nome. Gênero.

- Ok…Ok…

- Seu e-mail. Confirme seu e-mail.

- Ok… Vou só copiar e colar do campo anterior…

- Senha. Confirme sua senha.

- **********… Será que digitei certo?

- Data de nascimento.

- Ok… pra que eu preciso informar isso?

- Como nos conheceu?

- Como foi mesmo? Deixa eu ver as opções nesse combo… Ahh sim, procurei no Google cinco minutos atrás…

- Aceita os termos e condições de uso?

- Que página feia, que fonte pequena! Dane-se, vou aceitar sem ler…

- Deseja receber e-mails com nossas promoções e novidades?

- Mas eu ainda nem conheci o produto, seus malucos! Não quero não, valeu.

Irritado com o interrogatório, você começa a usar o software e se depara com uma centena de elementos na tela (menus, textos, gráficos, botões, etc). Depois de dez minutos procurando onde inserir suas despesas mensais, desiste quando o software começa a pedir informações irrelevantes que você nem lembra mais.

Pensando palavras de baixo calão, você volta para o Google em busca de outra ferramenta. Você jamais vai usar esse produto, tampouco indicar pra alguém (contra-indicar é mais provável).

Os motivos do abandono

Por que você desistiu do produto? Será que foi o cadastro ridiculamente longo? A quantidade de cliques? O tempo gasto pra entender a interface?

Nenhum desses é o motivo.

Você desistiu porque o software te fez pensar demais e gastar energia se preocupando, relembrando, julgando e decidindo coisas desnecessárias. Só no cadastro, você teve que:

- Se preocupar se as senhas eram iguais;
- Decidir se era melhor redigitar ou copiar e colar o e-email no campo de confirmação;
- Julgar a necessidade da data de nascimento;
- Relembrar sua data de nascimento;
- Relembrar como conheceu o software;
- Julgar a página de termos de uso;
- Decidir se quer ou não se cadastrar no newsletter.

Sete pensamentos entediantes e desnecessários.

Você já viu problemas desse tipo nos seus projetos? Te apresento, então, alguns conceitos e dicas para te ajudar a identificar e remover esses obstáculos.

A carga cognitiva e o volume de pensamentos
Em algum momento, você precisou abrir muitos programas simultaneamente no seu computador. Como foi a performance deles? Provavelmente, ficaram lentos. Com o nosso cérebro acontece a mesma coisa; a nossa capacidade de processamento se esgota quando temos que pensar em muita coisa ao mesmo tempo, causando fadiga, irritação, ansiedade e outros sentimentos negativos. O conceito da quantidade de informação que o cérebro consegue processar é conhecido como Carga Cognitiva ou Processamento Mental.

No desenvolvimento de software, desenhamos fluxos de interação e arquitetura. Mas você já avaliou como um usuário pensa ao interagir com o software? Qual seu fluxo de pensamentos? Seria possível que você o  estivesse sobrecarregando, assim como fez com o seu computador ao abrir 15 programas ao mesmo tempo?

Os tipos de carga cognitiva
A carga cognitiva vem em dois pacotes: a Carga Intrínseca, que representa o processo abstrato para alcançar um objetivo, dificilmente dá pra diminuir essa carga (Exemplo: ao comprar um carro, sua carga intrínseca é decidir qual modelo você quer) e a Carga Extrínseca, que  representa todo pensamento extra que não está diretamente relacionado ao objetivo, ela distrai e desperdiça capacidade do cérebro.

Um bom design ajuda a minimizar a carga extrínseca. Exemplo: ao comprar um carro, você precisa pesquisar preços, ir em uma concessionária, negociar com um vendedor, fazer a documentação, etc; tudo isso é carga extrínseca.

Observe que procedimentos de segurança como fazer a documentação do carro ou mesmo fazer o login em um bankline, embora sejam uma carga extrínseca, são mandatórios devido a questões legais ou de segurança.

Processamento mental e os tipos de esforço

Tudo que fazemos requer pensamentos e movimentos físicos, inclusive utilizar interfaces. Em cada decisão de design, consciente ou não, estamos fazendo trade-offs de esforço. Eles se dividem em três categorias:

Esforço mecânico: é o esforço do cérebro em mandar um comando para o corpo em conjunto com o movimento em si. Em softwares, seriam os cliques no mouse e as digitações no teclado. Esse é o esforço mais “barato” em termos de processamento mental.

Esforço visual: é o esforço de olhar e entender interfaces; é o que faz seus olhos arderem ao ler uma fonte pequena ou doerem ao abrir um site tipo este aqui (se afaste do monitor antes de abrir). O esforço visual tem um custo médio de processamento mental.

Esforço cognitivo: capaz de fazer as pessoas desistirem e falarem mal do seu produto, o esforço cognitivo representa coisas que precisam ser lembradas, também análises, julgamentos, decisões, preocupações… Em suma, é tudo que precisa ser pensado.

Existem duas estratégias para diminuir o esforço cognitivo:

  • Eliminar pensamentos desnecessários;
  • Substituir o esforço de pensar por outros tipos, como visual ou mecânico.

É como dizia um autor famoso que não me lembro o nome: “nada cansa mais do que pensar!”

A pegadinha do: “quanto menos cliques, melhor”
Quem diz isso, geralmente, está preocupado com o ato físico do clique, como se clicar cinco vezes causasse cãibra ou algo do tipo. Ao instalar um programa, você se importa de clicar 5x no botão “avançar”? Claro que não! O que cansa é a confusão de pensar em onde se deve clicar ou ficar navegando sem encontrar o que se procura. O ato do clique não machuca a experiência de uso; isso foi provado em diversos estudos.

Se alguém te disser: “o usuário precisa achar o que procura em, no máximo, dois cliques”, não caia nessa lorota!

Mostrar conteúdos de forma progressiva é uma arte, caso queira se aprofundar, leia sobre Progressive Disclosure.

Conselhos para diminuir a carga cognitiva
  1. Fale a linguagem que o usuário está pensando: Aprenda as palavras e o estilo de comunicação do usuário. Evite deixá-lo confuso por causa de uma palavra mal colocada. Faça entrevistas e testes de usabilidade. A ideia é que o usuário sinta como se estivesse conversando com um amigo.
  2. Lembre o usuário para que ele não precise relembrar: nossa memória de curto prazo é acessada rapidamente, mas têm espaço pra pouca informação. Repita as informações sempre que necessário e evite o esforço de relembrar coisas. Se estiver na dúvida se um dado é necessário em determinado momento, deixe-o na tela até que se prove que não é.
  3. Pare de encher a tela de informações: mesmo que de forma inconsciente, toda informação visível vai ser absorvida e pode causar sobrecarga na memória de curto prazo, aumentando o esforço cognitivo e, por sua vez, a fadiga mental e o tempo gasto para executar atividades.
  4. Antecipe julgamentos desnecessários: não estou dizendo pra você criar uma página de FAQ, mas se você sabe que uma dúvida é comum durante determinado formulário ou fluxo, responda-a na mesma hora. Um exemplo disso é o cadastro no Facebook onde ele te explica por que é necessário informar sua data de nascimento. Não dê oportunidade boba para o usuário julgar negativamente seu produto e sua empresa.
  5. Diminua a curva de aprendizado: eu não sou velho, mas já cansei de ver interfaces minimalistas e geniais que usuário nenhum sabe por onde começar a usar. Em sistemas corporativos, ainda existe a opção de treinar os funcionários para usar o software (gastando muito $$$$). Já em produtos para consumo aberto, você acha que os usuários vão gastar horas aprendendo a usar seu produto ou vão, simplesmente, experimentar o do concorrente?
Conclusão

Testes de usabilidade, avaliações de percurso cognitivo e análises heurísticas agregam bastante  para um software, mas executar essas técnicas sem conhecimento prévio de carga cognitiva pode comprometer os resultados do trabalho.

Entretanto, somente com esse conhecimento, já é possível pensar com diferentes perspectivas nas interações do usuário sem necessidade das técnicas, humanizando seu software e gerando mais valor.

Leituras recomendadas

Jakob Nielsen, Short-Term Memory and Web Usability (artigo)

Kathryn Whitenton, Minimize Cognitive Load (artigo)

Steve Krug, Don’t Make Me Think (livro)

Susan Weinschenk, 100 Things Every Designer Needs to Know About People (livro)

Jakob Nielsen, Progressive disclosure  (artigo)

 

(*) Bruno Camarini é Information Architect na Dextra Sistemas


Fonte: http://cio.com.br/tecnologia/2016/07/01/cinco-conselhos-para-reduzir-a-carga-cognitiva-no-desenvolvimento-de-software/


Comente