Guia Portal Sorocaba.com

Solicite seu orçamento para as empresas e profissionais cadastrados no Portal Sorocaba.com

Cadastre aqui sua empresa ou negócio!


Sorocaba, 20 de Janeiro de 2021

NOTÍCIAS



Médicos também vão às ruas e protestam na região central

Notícia publicada em 03/07/2013



Médicos também vão às ruas e protestam na região central

Chegou a vez da classe médica ir às ruas para reivindicar melhores condições de trabalho. Uma manifestação está programada para hoje, às 16h, na região central da cidade, contra a proposta apresentada pela presidente Dilma Rousseff (PT) referente à contratação de médicos estrangeiros no país. A Sociedade Médica de Sorocaba (SMS) garante que os atendimentos emergenciais serão mantidos no município. A passeata terá início na sede da Sociedade Médica de Sorocaba (SMS), localizada na rua Monsenhor João Soares, 75, Centro. Os manifestantes percorrerão aproximadamente 450 metros e terão como destino a praça Coronel Fernando Prestes.

O presidente da SMS, Jefferson Delfino, diz que foram convocados para a manifestação os 600 alunos da Faculdade de Medicina de Sorocaba, os 150 residentes e os 2 mil médicos do município. "Mas os profissionais de plantão nas emergências prestarão os atendimentos de forma normal. Esse trabalho não para em circunstância nenhuma", comenta. Segundo ele, tudo indica que os pacientes terão mais dificuldades nos atendimentos laboratoriais e nos consultórios.

Delfino reconhece os problemas de saúde pública no Brasil, mas não acredita que a causa seja a falta de médicos. "Medidas populistas dissociadas de uma análise conjuntural só costumam trazer mais dificuldades que soluções", destaca. "Trazer médicos sem solucionar a conjuntura só fará aumentar a quantidade desses profissionais nesses centros maiores pelo mesmo motivo", completa. Segundo o presidente da SMS, é necessário haver condições de trabalho e o profissional poder exercer a medicina com dignidade. "Primeiro dá-se condições dignas e depois podemos discutir a falta de profissionais. Não o contrário".

A intenção da classe médica sorocabana também é de estreitar a relação com o poder público da cidade. "Tivemos uma reunião na quinta-feira com o secretário municipal de Saúde, Armando Martinho Bardou Raggio, e ele nos pareceu acessível e favorável às nossas reivindicações", conta. "Nesse primeiro contato nós pedimos uma melhora nas condições de trabalho e uma maior troca de conhecimentos para resultar em um melhor atendimento à população", completa.

O Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) também discorda da opinião do governo de que faltam médicos no país. De acordo com a entidade, há no Brasil uma média de um profissional para cada 500 habitantes. "O problema está na falta de financiamento para a saúde, ausência de insumos, aparelhos, recursos humanos e na má distribuição desses profissionais e isso acontece por não haver incentivo para atuarem nos locais mais distantes, além de não haver uma carreira de estado para o médico, o que daria segurança para o profissional se fixar em áreas de periferia", comenta, por meio de nota, o sindicato.

De acordo com o dirigente do Simesp, Cid Carvalhaes, a proposta é ilusória e trará desserviço à população, pois esses médicos estrangeiros são profissionais tecnicamente despreparados para o atendimento à população brasileira. "Defendemos que todo médico formado fora do Brasil deve se submeter ao Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras (Revalida), além de haver a necessidade, para os estrangeiros, de aplicação de prova de suficiência em língua portuguesa. Tais medidas são o mínimo necessário para garantir segurança às pessoas, principalmente as que residem em áreas carentes, essas que mais precisam de uma saúde pública de qualidade".

Reforço de estrangeiros divide opiniões

A cuidadora Gilda Pereira, 50 anos, teve uma experiência positiva com um médico estrangeiro no Brasil. A moradora da Vila Gabriel diz ter sido atendida e curada de uma pneumonia graças ao trabalho de um boliviano, especializado no sistema respiratório, que atendia em Brasília. Segundo Gilda, todo o tratamento ocorreu sem qualquer tipo de problema. "Ele sempre me atendeu bem e falava muito bem o português", conta. Por isso, a cuidadora não concorda com essa manifestação. "Profissional bom independe do lugar de onde veio e é sempre bem-vindo", comenta.

O aposentado Lucindo Zuza dos Santos, 61, discorda de Gilda e é contra a vinda de médicos estrangeiros ao Brasil. "Se eu já não entendo o que os médicos daqui falam e escrevem, imagine os de fora", diz. Já, o aposentado Oswaldo Amieiro, 83, diz ser a favor da manifestação dos médicos. "Atualmente eu tenho concordado com tudo isso, desde que seja para melhorar o país", relata. 


Fonte: http://www.cruzeirodosul.inf.br/materia/483947/medicos-tambem-vao-as-ruas-e-protestam-na-regiao-central


Comente

Cadastre Sua Empresa Gratuitamente no Guia Comercial
Divulgue Seu Evento


Notícias


Eventos

Dia: 20/01/2021

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 21/01/2021

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 22/01/2021

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 23/01/2021

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 24/01/2021

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 25/01/2021

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 26/01/2021

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Ouça ao vivo!

Ouça Ipanema FM Ouça 89 a Rádio Rock
Ouça Antena 1 Ouça Rádio Fox Rock