Guia Portal Sorocaba.com

Solicite seu orçamento para as empresas e profissionais cadastrados no Portal Sorocaba.com

Cadastre aqui sua empresa ou negócio!


Sorocaba, 21 de Outubro de 2020

NOTÍCIAS



Grupo Medusa se apresenta em Sorocaba em turnê relâmpago

Notícia publicada em 25/08/2016



Grupo Medusa se apresenta em Sorocaba em turnê relâmpago

Apenas um LP lançado em 1981 pela gravadora Som da Gente foi o suficiente para transformar o Grupo Medusa em verbete próprio, sinônimo de inovação e criatividade, na história da música instrumental brasileira. Trinta e cinco anos depois, três integrantes de sua formação original se reúnem pela primeira vez para uma turnê relâmpago que revisita o lendário álbum homônimo. A série de apenas sete shows pelo Brasil passa nesta quinta (25) por Sorocaba, dentro da programação da 5ª edição do Festival Sesc Jazz & Blues. A apresentação ocorre às 20h no teatro do Sesc (rua Barão de Piratininga, 555) e os ingressos, disponíveis até o fechamento desta edição, custam R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia) e R$ 12 (credencial plena)

Da formação original estarão no palco o guitarrista Heraldo do Monte, o pianista Amilson Godoy e o baterista Chico Medori. Já ao jovem e virtuoso baixista pernambucano Ricardinho Paraíso, caberá o grato desafio de redesenhar as improváveis linhas graves criadas por Cláudio Bertrami, pioneiro do baixo fretless (sem trastes) no Brasil e professor do Conservatório de Tatuí, falecido em 2002.

O repertório contará com as oito composições autorais do épico LP, caracterizado pela abertura de espaços para improvisação de todos os músicos e rico na exploração de ritmos brasileiros, como o baião, o samba e o partido-alto. Com forma vanguardiosa e estética genuinamente brasileira, o álbum Medusa se tornou uma espécie de "passagem obrigatória" para guitarristas, pianistas, baixistas das novas gerações e ajudou a consolidar a música instrumental brasileira como ela é conhecida hoje. Vale dizer que após esse disco, Heraldo do Monte saiu do grupo e a vaga foi preenchida por outro guitarrista de peso: o gaúcho Olmir Stocker, conhecido no meio musical como Alemão. Com a nova formação, o Grupo Medusa lançou o disco Ferrovias, em 1983.

Mesmo se sentindo duplamente realizado por "ser pago para rever os velhos amigos no palco", Heraldo do Monte assinala que o Grupo Medusa, ao menos com essa formação original, infelizmente não veio para ficar. Segundo o guitarrista, o não retorno definitivo da banda se deve a incompatibilidade de agenda de seus integrantes. Entretanto, a turnê relâmpago foi possível graças ao projeto Álbum, promovido pelo Sesc Belenzinho, que visa revitalizar a memória musical do país, trazendo títulos expressivos da discografia da música brasileira e apresentá-los para o público em formato de show.

Considerado "o maior guitarrista do mundo" por ninguém menos que o icônico Joe Pass, o pernambucano Heraldo do Monte já era um gigante da música quando decidiu integrar o Grupo Medusa. É que 15 anos antes, o seu fraseado original com sotaque nordestino exprimido nos instrumentos de corda do Quarteto Novo chamou a atenção de George Harrison -- possivelmente influenciou os Beatles -- e causou êxtase no saxofonista Wayne Shorter, que o convidou para se mudar para os Estados Unidos e integrar a banda de jazz-fusion Weather Report. "Não, muito obrigado. Tenho a minha vida aqui no Brasil", surpreendeu o guitarrista.

Heraldo comenta que, para ganhar a vida, passou a trabalhar como músico de estúdio no final da década de 1970. "Era um trabalho comercial, como vender banana na feira. A gente gravava músicas bregas e outras coisas de muito mau gosto", relata, ao Mais Cruzeiro. Aparentemente insatisfeito em ter de emprestar seu talento a boleros e guarânias mal arranjadas, Heraldo convidou os colegas de estúdio -- Amilson Cláudio e Chico Medori -- para montar um grupo para ensaiar durante as folgas nos finais de semana.

A ideia, na prática, era promover uma reconciliação coletiva com a música livre e criativa. "Gravar um disco nunca foi uma pretensão nossa. A gente só queria estudar, para não ficar estacionado", complementa. Dono de uma humildade que só não é maior do que a sua enorme contribuição para a história da música instrumental -- especialmente da guitarra brasileira--, Heraldo afirma não ter dimensão de influência que o Grupo Medusa provocou e ainda provoca. "Não sei se influenciou alguém, mas o legal do Medusa está nos detalhes, que é exatamente o contrário daquilo que a gente podia no estúdio", complementa o músico de 81 anos de idade, que acaba de lançar o disco Choro de viola -- com participação do percussionista votorantinense Cléber de Almeida -- e se prepara para lançar sua autobiografia e um songbook com sua obra completa.  


Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul


Comente

Cadastre Sua Empresa Gratuitamente no Guia Comercial
Divulgue Seu Evento


Notícias


Eventos

Dia: 21/10/2020

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 22/10/2020

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 23/10/2020

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 24/10/2020

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 25/10/2020

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 26/10/2020

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 27/10/2020

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Ouça ao vivo!

Ouça Ipanema FM Ouça 89 a Rádio Rock
Ouça Antena 1 Ouça Rádio Fox Rock