NOVA VERSÃO EM:
http://www.sorocaba.com.br/wiki
Pesquisa Avançada
Home
Títulos
Autores
Contribua
Discussão
Nota legal
Contato
Rogério Lopes Pinheiro de Carvalho - Francisco Adolfo de Varnhagen (Visconde de Porto Seguro)
Varnhagen, Francisco Adolfo de. (Visconde de Porto Seguro). – Diplomata, militar e historiador (1816-1878). Varnhagen nasceu em São João do Ipanema, à época pertencente à Sorocaba (atualmente município de Iperó). Seu pai Frederico Luis Guilherme de Varnhagen, engenheiro alemão, veio ao Brasil com o propósito de restaurar e ampliar a Real Fábrica de Ferro de São João de Ipanema.
Varnhagen não passa muitos anos no Brasil, pois, em outubro de 1823, retorna para Portugal, juntamente com a mãe, portuguesa de nascimento. Realiza os primeiros estudos no Real Colégio da Luz e, a seguir, inicia sua formação militar, obtendo o título de engenheiro. Apesar dessa formação mais voltada para as ciências exatas, também realiza estudos em áreas relacionadas com sua posterior atividade como historiador, tais como diplomacia, paleografia e economia política.
Seu primeiro trabalho na área de história está relacionado às pesquisas sobre o colono e cronista quinhentista Gabriel Soares de Sousa, o qual cabe a Varnhagen o mérito de ter tirado da obscuridade. A boa acolhida junto à Academia de Ciências de Lisboa, certamente serve como incentivo para suas futuras realizações como historiador.
Um aspecto interessante e fundamental que marca a obra do famoso historiador é sua opção pela nacionalidade brasileira, algo que começa a cogitar em 1840. Para Nilo Odália, a escolha de Varnhagen pela nacionalidade brasileira está muito relacionada com o clima mental da época, marcada profundamente pelo romantismo. Época em que aflora com toda a força a questão do nacionalismo e de pertencimento a um povo. Ora, “para um jovem da época, pertencer a uma dessas nações, percorrer e participar de sua formação e de seu destino, deveria surgir aos seus olhos deslumbrados como a possibilidade única de concretizar o desejo de pertencer à história e ao seu tempo.” [Nilo Odália]
Em 1840 viaja ao Brasil e conhece o Imperador-menino, apenas com 14 anos de idade, marcando o início de uma longa amizade. Obtém, finalmente, a nacionalidade brasileira, por decreto real, em 24 de setembro de 1841. A partir de então em suas obras e pronunciamentos o historiador se autodenominaria como “paulista de Sorocaba”. João Francisco Lisboa, outro grande historiador brasileiro do século XIX, daria um segundo cognome a Varnhagen, que igualmente se tornaria célebre, o de “pai da nossa história.”
Após o reconhecimento da nacionalidade brasileira, entra para o corpo diplomático brasileiro, função que ocupa até a morte. O trabalho como diplomata facilita suas pesquisas históricas. Assim, pode consultar arquivos na Europa e América do Sul, coligindo uma quantidade impressionante de documentos referentes à história do Brasil. Esse empreendimento pode ser verificado em sua obra mais importante “História Geral do Brasil”, cuja primeira edição é de 1854, tendo na folha de rosto a seguinte inscrição “Um sócio do Instituto Histórico do Brasil natural de Sorocaba”. Em 1874 é agraciado com o título de Visconde de Porto Seguro.
Varnhagen vem a falecer em 29 de junho de 1878 em Viena. Sua esposa, chilena, leva o corpo para o Chile; no entanto, o desejo de Varnhagen era ser enterrado em sua pátria de “nascimento e opção”, mais especificamente em Sorocaba. Assim, por ocasião do centenário de sua morte, em 1978, a Fundação Ubaldino do Amaral – jornal Cruzeiro do Sul, Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba e Prefeitura Municipal realizam uma série de esforços para transladar os restos mortais do historiador para Sorocaba, cumprindo, dessa forma, a sua vontade final. Tal empreitada é coroada de êxito, como se pode ler no jornal Cruzeiro do Sul de 30 de junho de 1978: “Dentro das solenidades que Sorocaba vem realizando para marcar a passagem do Centenário da morte de Varnhagen, realizou-se ontem [29 de junho], às 9 horas, no Gabinete de Leitura Sorocabano, o lançamento de um carimbo filatélico alusivo à data. Em seguida, um carro do Corpo de Bombeiros, acompanhado de autoridades, transportou os restos mortais do historiador, que desde sua chegada do Chile encontravam-se expostos no Museu Histórico, para a nova Praça Francisco Adolfo de Varnhagen [em frente a UNISO, campus Trujillo], onde foram solenemente depositados num pedestal de granito, sobre o qual foi assentado o busto do historiador.”

Referências Bibliográficas: ODÁLIA, Nilo. (Org.). Varnhagen. São Paulo: Ática, 1979. (Coleção Grandes Cientistas Sociais, vol. 9); FLEURY, Renato Sêneca. Francisco Adolfo de Varnhagen, Visconde de Porto Seguro. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 1978.
 
 
voltar
Desenvolvido por Well Internet