Guia Portal Sorocaba.com

Solicite seu orçamento para as empresas e profissionais cadastrados no Portal Sorocaba.com

Cadastre aqui sua empresa ou negócio!


Sorocaba, 18 de Novembro de 2019

ARTIGOS


Da bondade e da gratidão: do retorno à realidade

Por: Sidarta da Silva Martins



Da bondade e da gratidão: do retorno à realidade

Dedico este artigo a todos aqueles que, como eu, acreditam na possibilidade de ver uma “flor nascer do impossível chão”, sem se importarem se é terrível demais vencer guerras e mais guerras por um pouco de paz”.

“Usamos de todas as artimanhas, malhação, emagrecimento, operações das mais diversas, tingimentos e fingimentos, mas não saímos do quadrado! Assim, “nos enquadramos” em uma Sociedade que se esqueceu como Humana, que se esqueceu como reflexo de um ser maior, bondoso, incrivelmente gentil, incrivelmente amoroso, eterno em sua sabedoria.” (SSM)
Tenho falado aqui sobre a amizade, da forma que acredito nela; Tenho falado aqui das formas de amor, da maneira que as vejo; Tenho falado sobre o amor pelos filhos, sobre as pedras e a beleza do caminho.
Tenho me debruçado, aqui, em temas ligados ao afeto, à compreensão entre os seres humanos, à compreensão do que deveria ser real, mas não o é.
Por ser um sonhador, e por sonhar sonhos impossíveis, tenho, desde tenra idade, tentado plantar nos mais diferentes tipos de solos, tenho semeado em campos dos mais variados, e, invariavelmente, tenho me decepcionado, não tenho conseguido ver “nascer a flor no impossível chão”.
Eu acreditei e acredito no amor verdadeiro, na amizade verdadeira, na educação para o humano, reflexo do divino. Acreditei e acredito na gratidão, não na material, mas no sorriso de agradecimento, no obrigado com os olhos brilhando, no abraço fraterno sem nada ser dito... Na visita surpresa a um amigo.
Com o artigo “Poço das Ariranhas“ tentei mostrar que “tudo vale a pena, quando a alma não é pequena”.
Acreditei, e acredito, de verdade, na possiblidade de ver o campo florir, na possiblidade de colher frutos no verão.
Para que isso aconteça não me importei, e não me importo, de passar o frio do inverno no campo, enterrando sementes em chão molhado; Não me importei, e não me importo de colher folhas caídas do outono, desde que possa sentir o perfume das flores da primavera, que trarão os frutos na estação seguinte.
Mas... Por alguma razão, por alguma razão que não consigo explicar, na hora de colher os frutos não os encontro onde deixei, onde pensei que estariam. Não os encontro!!
Alguém passou antes e os levou... Sem tê-los plantado!
São Lucas, no famoso livro “Médico de Homens e de Almas”, tem uma discussão com Deus por este motivo, por este mesmo motivo; João Valjean, personagem histórica de Victor Hugo, faz o mesmo questionamento, de uma forma diferente, mas o faz. Ivan Lins, em uma de suas mais belas canções, pede que os filhos, ao colherem os frutos, digam o gosto para ele.
Passamos a valorizar a casca, não o interior; passamos a nos deter no contentor, não no conteúdo; passamos a comprar pacotes, não presentes; passamos a levar para casa o discurso, não o foco da questão; passamos a comprar o livro pela capa, não pelo escritor ou pelo que escreve; passamos, enfim, a ficar no supérfluo, não nos aprofundando no espírito da questão, na alma da pessoa que nos fala.
O carro do ano, a viagem dos sonhos, os “amigos” das baladas, o apartamento na praia, a roupa de “griffe”, a conta bancária, o cartão, foram ganhando espaço em nossas vidas em detrimento ao “buquê” de flores colhidas no quintal, ao café na cama, ao jantar em casa à luz de velas (brancas mesmo), ao abrir a porta do carro para a companheira, para o companheiro, ao passeio de mãos dadas, ao sorvete na praça, ao passeio no Ibirapuera com os filhos e com os pais, à poesia, que tanto nos diz à alma, à missa aos domingos, à conversa despretensiosa entre amigos, sem tempo para terminar...
Enfim, o que era para ser complemento passou a ser o principal, e o principal ficou esquecido em um canto de armário, cheio de poeira e teias de aranha, pedindo, clamando, por limpeza e arrumação, voltando, assim, as coisas aos devidos lugares.
Vivo também a boa vida, sonho também o bom sonho, amo também o bom amar, mas tudo a seu tempo. A vida é construída de realidade, de estudo, de trabalho, de “jogo duro”, de responsabilidade, de honra e de gratidão, não de fantasia!
Sim, a vida é construída de honra e de gratidão! O que vejo à minha volta é exatamente o contrário.
A honra passou a ser o supérfluo e a gratidão deu lugar ao material.
Um presentinho basta, para substituir um afeto, isso quando existe o presentinho; A honra deu lugar à covardia, à aceitação do contrário, à aceitação da desonestidade, à aceitação da agressão, à aceitação da própria maldade em si.
As pessoas maldosas, em seu sentido pleno, são bajuladas, são visitadas, são festejadas. As pessoas dignas, as pessoas que deixam de si próprias para se dedicar à construção de um mundo melhor, para si mesmas, e para os outros, são tidas como “poetas”, como “sonhadores”, estão fora do mundo...Não precisam de afeto!
E estão mesmo! O mundo que eu sonhei, e que sonho, não é este, é um mundo bem melhor, mais digno, mais amigo, mais próximo, que recompense a bondade e coloque a maldade no seu devido lugar...
Eugênio Mussak , autor de “Metacompetência”, afirma que os “poetas” são aqueles que acreditam na felicidade, que acreditam que podem promover a felicidade para si mesmos e para os que estão à sua volta.
Eu também acredito!
Mas continuarei à espera do gosto dos frutos, à espera do perfume da primavera, à espera de um novo verão, com mais luz e mais calor humano. Continuarei acreditando que um dia ainda sentirei o gosto real de um fruto chamado “gratidão”, e conhecerei seu perfume..
 

O texto publicado neste artigo é de responsabilidade do autor, e pode nao expressar a opiniao total ou parcial do Portal Sorocaba On-Line S/C Ltda sobre o assunto. Boa leitura!

Sidarta da Silva Martins

Sidarta da Silva Martins, linguista, escritor, poeta, compositor e pesquisadorem comunicação, recentemente assumiu, em Itu/SP, a cadeira número 20 da ACADIL. Já ocupava a cadeira 71 da Academia Nacional do Portal do Poeta Brasileiro e a cadeira 92 da ALB/SP. É formado em Comunicação Social pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP). Desde 2003 é Professor Titular do Curso de Gestão da Universidade Paulista (UNIP), em Jundiaí. Além de pesquisas na área de Administração, atua  nas áreas de Lingüística, de Recursos Humanos - RH e do  Desenvolvimento Humano. Trabalhou e estudou nos Estados Unidos e na Europa. Há mais de vinte anos apresenta os resultados de seus trabalhos em palestras e seminários sobre Aprendizado de Línguas Estrangeiras, Treinamento e Desenvolvimento de RH e Liderança, em congressos realizados no Brasil e no exterior. É palestrante do Congresso Saber, o mais importante do país na área de Educação. Criou, em Londres-UK, a Metodologia dos Sons, para facilitação do aprendizado de línguas estrangeiras, com resultados expressivos.

No último mes de Junho recebeu o Título de Cidadania Ituana, em homenagem aos relevantes serviços prestados à Cidade que escolheu para morar, Itu.

Em suas palestras afirma que  "Ao Educador cabe a formação do cidadão global e do homem bondoso universal"

Leia mais artigos deste Colunista


Comente




Cadastre Sua Empresa Gratuitamente no Guia Comercial
Divulgue Seu Evento


Notícias


Eventos

Dia: 18/11/2019

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 19/11/2019

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 20/11/2019

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 21/11/2019

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 22/11/2019

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 23/11/2019

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Dia: 24/11/2019

Nenhum evento cadastrado neste dia.


Ouça ao vivo!

Ouça Ipanema FM Ouça 89 a Rádio Rock
Ouça Antena 1 Ouça Rádio Fox Rock